Nova Iorque tem terminal de aeroporto só para animais

0
15

O Aeroporto Internacional John F. Kennedy (JFK), em Nova Iorque, possui no seu interior um terminal só para animais que está em funcionamento desde Janeiro de 2017.

The Ark apresenta-se como o primeiro terminal do mundo de iniciativa privada destinado a todos os animais — domésticos (cães e gatos, por exemplo), cavalos, pássaros, gado ou exóticos. Com 16.600 metros quadrados, a infra-estrutura tem como objectivo “oferecer um ambiente eficiente, seguro e pouco stressante” para todos os clientes, humanos e animais.

O centro, que de acordo com o Washington Post custou 65 milhões de euros, tem 16.600 metros quadrados e foi projectado pelo escritório de arquitectura e design Gensler. Assemelha-se, de algum modo, a um hotel de luxo, providenciando, entre outras coisas, serviços de spa para cães e gatos, 48 cavalariças, um curral e cuidados veterinários 24 horas por dia.

Todos os anos, passam por este aeroporto mais de 70.000 animais. Até agora, o espaço já recebeu coelhos, cães militares, cavalos, pássaros e cães e gatos de estimação, mas para já nem todos os serviços estão abertos. Nesta primeira fase, está em funcionamento o Pet Oasis, que se destina a cães e gatos em trânsito. Antes dos voos, e por 125 dólares por noite, os donos podem deixar os animais no espaço para serem preparados para a viagem.

À chegada, por seu turno, são recebidos com um tratamento de luxo com banho, escovagem e passeios. Por uma quantia extra, os donos mais preocupados podem até recebem fotografias e “updates” da estadia.

No final do ano, prevê-se a entrada em funcionamento da clínica veterinária com serviço de laboratório e do centro Paradise 4 Paws, uma espécie de resort de luxo para cães e gatos, com piscina, relvado para corridas e árvores para trepar. Os preços das estadia variam entre 50 e 120 euros para cães e 30 e 40 euros para gatos.

“Desenvolvemos o conceito Ark para responder às necessidades não satisfeitas para importação e exportação de animais de companhia, desportivos e de agricultura”, explicou John J. Cuticelli Jr., da Racebrook e do The Ark, à publicação conhecida pelos guias de viagem. “O nosso objectivo é criar um processo mais eficiente e seguro, reduzindo a necessidade de viagens adicionais e oferecendo equipas especializadas de cuidados de saúde imediatamente antes e depois do voo.”

Deixe uma resposta

Por favor insira o seu comentário
Por favor insira o seu nome