E se, em vez de um, quiser adotar mais gatos?

Independentemente de a adoção ser feita no mesmo momento, com um curto intervalo de tempo, ou com uma grande diferença de idades, será sempre uma incógnita a forma como os gatos irão reagir.

0
2860
Marta Segão | Clube de Gatos do Sapo

 

O receio da maior parte das pessoa, quando se coloca a hipótese de adotar mais do que um gato é “será que se vão dar bem?”. Cada caso é um caso, e cada animal é diferente e com a sua personalidade e feitio próprios. Como tal, é difícil saber, de antemão, se adotar mais do que um animal será uma missão bem-sucedida, ou um verdadeiro fiasco.

Embora a maioria das pessoas prefira, por questões de espaço e económicas, adotar um único gato, os veterinários e associações recomendam, sempre que os tutores reúnam condições e mostrem vontade para tal, a adoção de mais do que um gato, por várias razões:

  • – havendo mais do que um gato em casa, podem fazer companhia uns aos outros, quando os donos estão fora, não sentindo tanto a solidão
  • – os gatos podem brincar uns com os outros, sem ter que pedir aos donos que os entretenham
  • – como têm personalidades distintas, complementam-se entre si, aprendem uns com os outros, e cada um faz desabrochar o potencial do outro
  • – a alegria, os bons momentos e as aventuras dos gatos com os donos multiplicam-se

De qualquer forma, convém estar ciente dessa decisão, e ter em mente que a adaptação pode não se conseguir fazer de um dia para o outro, a não ser que já estejam habituados a viver juntos.

O ideal é fazer a aproximação aos poucos: primeiro através dos cheiros; depois, de pequenos contactos diários, na presença dos donos, e partilha de brinquedos e comedouros/ bebedouros.

Independentemente de a adoção ser feita no mesmo momento, com um curto intervalo de tempo, ou com uma grande diferença de idades, será sempre uma incógnita a forma como os gatos irão reagir, podendo dar-se bem desde o primeiro instante, ou demorar dias, semanas ou até meses, para se adaptarem, aceitarem uns aos outros, e conviver em harmonia.

Mas valerá a pena observar a amizade, a cumplicidade e o instinto protetor (por vezes até maternal) que desenvolvem uns pelos outros!

Deixe uma resposta

Por favor insira o seu comentário
Por favor insira o seu nome