Animais ajudam alunos universitários a ter bons resultados

0
828
Num dos eventos com temáticas sobre gatos, a biblioteca da Faculdade de Economia reuniu 140 alunos para conhecer Jasper, o gato

Vários porquinhos-da-índia, um gato e diversos cães, todos “funcionários” da Universidade de Cambridge, em Inglaterra, ajudam os alunos a ter sucesso nas provas.

Que certos animais poderão ser excelentes companheiros, já não é novidade. Mas fomos descobrir animais que ajudam os estudantes na época das provas, diminuindo o stress trazido pelos dos exames o que se reflete no desempenho e nas avaliações.

No projeto, funcionários de diversas faculdades da universidade adotaram animais para que eles fiquem em contato com os estudantes. Os alunos podem, por exemplo, tomar um chá com Jasper, o gato malhado, ou levar os cães para passear.

A universidade diz que os animais demonstram ficar felizes ao ajudar alunos stressados ou com saudade de seus próprios companheiros de quatro patas – já que os estudantes da universidade costumam residir no próprio campus.

A iniciativa tem funcionado, mesmo que os os animais às vezes demonstrem alguma teimosia. Exemplo disso foi a cadela Twiglet, que deu uma passeio com o seu “paciente” e depois recusou voltar a fazê-lo, provando que o trabalho de ser um “cão relaxante” não era para ela.

Já o gato Jasper (na foto) que tem uma perna amputada, mora na biblioteca da faculdade de economia há anos. Ele é o “anfitrião” do evento “Chá com Jasper”, que às vezes atrai mais de 100 pessoas.

A faculdade Lucy Cavendish adotou quatro porquinhos-da-índia, que também são um sucesso entre os alunos, que podem brincar com os animais no jardim.

Porquinhos da índia e alunos da Cambridge
CAMBRIDGE UNIVERSITY: Quatro porquinhos-da-índia foram adotados por alunos e funcionário da faculdade Lucy Cavendish

“É muito bom cuidar deles, eles nos distraem das provas”, diz a estudante Laura McClintock ao site bbc.com

O cocker spaniel inglês Jack também faz parte da equipe de “funcionários” de quatro patas e a sua agenda de passeios está sempre cheia. A aluna Nina Jeffs diz que levá-lo para passear foi “como voltar para casa” ajudando-a a relaxar.

Alunos caminhando com o cocker Jack
CAMBRIDGE UNIVERSITY: O cocker Jack leva os alunos de Cambridge para passear

O benefício do contacto com os animais

Para Stephen Buckley, da entidade Mind, que promove saúde mental, estabelecer uma relação com a natureza, através do cuidado com animais traz uma série de benefícios para a saúde.

“Brincar com um bichinho, levar um cachorro para passear ou cuidar de um gato são coisas que ajudam a atenuar uma série de problemas de saúde mental. Ajuda os alunos a se desligar das pressões do dia a dia, a ficar com a mente mais leve e com menos stresse”, afirma ao site bbc.com

A Universidade de Cambridge não é a única instituição inglesa que tem um programa de convivência com animais de companhia

A Universidade de Huddersfield tem uma “sala dos filhotes” onde estudantes podem passar tempo com uma dupla de cães treinados para terapia. Já a Universidade Aberystwyth leva os cães de um centro de acolhimento de animais abandonados para passear no campus e brincar com os alunos. A Universidade de Bath disponibiliza até patos e cabras para os estudantes interagirem.

A ONG “Pets as Therapy” promove visitas terapêuticas de animais a diversas instituições, incluindo hospitais e universidades. Eles afirmam que a época de provas coloca uma pressão enorme nos estudantes e que os animais ajudam a lidar com a tristeza e a ansiedade, permitindo que os alunos consigam racionalizar a situação.

A entidade diz que, de acordo com pesquisas conduzidas pela Universidade de Lincoln sobre a interação entre animais de companhia e pessoas, “os alunos que recebiam a visita de animais tinham um nível de stress bem mais baixo.”

A faculdade Santa Catarina, na Universidade de Cambridge, tem o caõzinho Toby justamente para isso.

No entanto, a tentativa da faculdade Sidney Sussex de implementar o projeto não deu muito certo. A jack russell terrier Twiglet deu apenas uma voltinha com alunos e depois sentou-se e não quis andar. O jornal da faculdade disse que o animal estava muito stressado para a função e que foi “dispensado” das suas funções logo no dia seguinte.

A Universidade diz que todos os animais são muito bem tratados e que “Twiglet não está stressada, está perfeitamente bem. A pior coisa que pode ser dita sobre ela é que tem muita vontade própria.”

Deixe uma resposta

Por favor insira o seu comentário
Por favor insira o seu nome