Orçamento Municipal de Lisboa acolhe proposta do PAN para esterilização de animais de companhia

Para além da realização de uma campanha de esterilização de animais de companhia, de entre as medidas propostas pelo PAN que vão ser incluídas no Orçamento da Cidade 2019 encontra-se a aquisição de leitores de micro chip para as autoridades policiais garantia de atendimento online para a comunidade surda nos serviços municipais.

0
203

O Orçamento da Cidade de Lisboa para 2019 aprovado no dia de ontem na Assembleia Municipal de Lisboa inclui três medidas propostas pelo Grupo Municipal do PAN que visam a inclusão ou reforço das verbas em matérias consideradas essenciais. É a primeira vez, em 5 anos de mandato, que o Executivo acolhe medidas propostas pelo PAN no Orçamento para a cidade de Lisboa.

De acordo com a Deputada Municipal Inês de Sousa Real, “É com agrado que percebemos que, após análise das propostas de alteração do Grupo Municipal do PAN a este Orçamento, o Executivo acompanha algumas das nossas preocupações. No entanto, lamentamos que matérias de extrema importância para a cidade como é o caso do combate à pobreza, apoio às pessoas em situação de sem abrigo e questões ambientais não tenham visto as suas rubricas reforçadas, pelo que abstivemo-nos nesta votação”.

No âmbito social, foi incluída a proposta que se prende com a inclusão de uma verba, até agora não contemplada, para criar um atendimento online com tradução simultânea para Língua Gestual Portuguesa, para que as pessoas surdas possam ser atendidas em todos os serviços da autarquia, sempre que não seja possível a presença de um intérprete.

No campo da proteção animal, o Executivo acolheu a medida do PAN relativa à esterilização de animais de companhia, para que estas sejam gratuitas para animais de famílias em carência económica, mantendo também o investimento já existente na implementação de programas CED (Capturar-Esterilizar-Devolver) como forma de controlar a população de animais errantes ou abandonados na cidade.

Outra das medidas aprovadas foi a aquisição de leitores de microchips para a Polícia Municipal de Lisboa, para agilizar as situações em que esta entidade é a primeira linha de recurso quando um animal está perdido ou abandonado, possibilitando assim que seja identificado no imediato e contactado o seu detentor caso o animal se encontre perdido.

Em nota divulgada pelo PAN, é referido que, com estes avanços, ficou ainda em aberto o caminho com o Executivo para ao longo do ano trabalhar em conjunto com o Grupo Municipal do PAN na concretização das demais propostas apresentadas ao nível social, ambiental e de proteção animal.

Deixe uma resposta

Por favor insira o seu comentário
Por favor insira o seu nome