Miados com Sotaque

98
2376

Você sabia que os miados podem variar de acordo com o país em que os gatos vivem ou até mesmo conforme regiões diferentes de um mesmo país? E que essa diferença de miado tem, inclusive, relação com a linguagem da população humana com a qual os bichanos convivem?

Seriam miados com sotaque?

Esse é um dos pontos do Projeto “Meowsic”, pioneiro dentro da comunicação homem-gato, de Susanne Scholtz, professora de fonética da Universidade de Lund, na Suécia.  O projeto utiliza a análise fonética para comparar sons de gatos de duas áreas de diferentes dialetos na Suécia: Estocolmo, na parte central e Lund, ao sul do país.

O estudo, com duração de cinco anos, deve ser concluído até 2021 e já está causando impacto na mídia e entre os amantes de gatos.¹

A pesquisa Meowsic já é notícia em toda Europa

Será possível que um gato de uma zona rural, por exemplo, tenha um miado diferente de um gato nascido na cidade? Será que gato nascido em São Paulo mia diferente de gato do Rio de Janeiro? Será que gato de Coimbra também vocaliza de forma diferente de um gato de Lisboa?

Eu entrei em contato com a professora Susanne e a primeira pergunta que fiz foi: “Os gatos podem miar em diferentes idiomas?”. E a resposta foi “não”.

“Os gatos e outros animais não têm idiomas como os humanos. E a maioria dos gatos compartilha o mesmo repertório vocal: podem todos miar, ronronar, rosnar, assobiar e assim por diante. No entanto, os gatos podem variar seus sons de várias maneiras (o tom e a melodia, ou os sons de vogais e consoantes que eles usam em um miau, por exemplo) para melhor expressar suas necessidades, desejos e intenções”, ela comentou.

A pesquisadora Susanne Schotz com o gato Turbo

Mas acrescentou que, embora não se trate de “idiomas”, é bem provável que os miados tenham “sotaques” regionais: “Os gatos podem adaptar seus sons aos humanos com quem convivem para serem mais bem entendidos, e talvez até mesmo emprestarem alguns padrões melódicos da fala de seus donos. Não é impossível que algumas das características de sotaque ou dialeto da fala humana estejam incluídas na vocalização do gato também. Então, alguns gatos podem miar um pouco diferente, dependendo da língua de seus donos”.

O projeto estuda a prosódia, ou seja, como a melodia (entoação), ritmo e o estilo da fala – tanto na vocalização humana quanto nas vocalizações dos gatos – influenciam a comunicação vocal que os pequenos felinos estabelecem com seus tutores.

Mas qual a utilidade de um estudo sobre os “sotaques” felinos?

“Os resultados podem levar a uma melhor qualidade de vida para os gatos e outros animais de companhia. Entender as estratégias vocais usadas por humanos e gatos na comunicação homem-gato terá profundas implicações para nossa compreensão de como nos comunicamos com nossos animais e tem o potencial de melhorar a relação entre animais e humanos em vários campos, incluindo terapia animal, medicina veterinária e abrigo de animais. Se entendermos a variação nos sons de gatos, poderemos perceber se ele está amigável, agressivo, assustado, estressado ou até mesmo se está com dor”, explica a pesquisadora.

Ela explica que gatos selvagens geralmente não têm necessidade de continuar miando na idade adulta. Eles utilizam predominantemente sinais visuais e olfativos, limitando os sinais vocais. Tendem a se comunicar apenas em três contextos básicos: mãe-prole, sexual e territorial. Mas os gatos domésticos formam laços sociais com outros gatos e continuam miando depois de crescidos para chamar a atenção dos humanos.

Os gatos de Susanne são importante fonte para o estudo

“Eles aprenderam que as pessoas são muito sensíveis e respondem rapidamente diante um miado. Aprendi muito sobre as personalidades e estados mentais dos meus gatos observando seus padrões de comunicação. A diferença está principalmente na entonação, qualidade da voz e intensidade. Isso ajudou a entender quando meus gatos estão contentes, estressados ou ansiosos”, conta Susanne.

Outros animais também podem ter “sotaques”?

“Parece que alguns animais têm alguma variação regional. Notamos em suas vocalizações algo semelhante a sotaques ou dialetos. Por exemplo, as aves são conhecidas por terem sotaques ou dialetos diferentes, e lobos, focas, golfinhos e baleias parecem ter dialetos também.  Diferentes raças de gato podem ter diferentes comportamentos vocais. Além disso, parece que as melodias que eles captam de seus tutores e de outros gatos influenciam o dialeto também”, explica Susanne.

Parte desse e de estudos anteriores estão no livro recém-lançado pela pesquisadora “The secret of language cats”, ainda sem tradução para o português. Ela mora em Landskrona (Suécia) junto com seu parceiro e cinco gatos: Donna, Rocky, Turbo, Vimsan e Kompis, que ela mesma denomina como “cinco personalidades felinas com diferentes vozes”.

Já observou os miados do seu gato?

Será que seu gato também absorveu seu sotaque ou entonação de voz para se expressar? Você percebe nele uma maneira muito diferente de vocalizar que nunca viu em nenhum outro gato?

Perguntei à professora Susanne se ela gostaria de receber relatos sobre vocalização de gatos. Ela respondeu:

“Recebo muitos e-mails e, infelizmente, não tenho tempo para responder a todos. No entanto, se alguém tiver um testemunho interessante das vocalizações de seus gatos, pode escrever para mim se puder aceitar que não tenho tempo para responder”. Ou seja, o relato pode servir para o estudo, o que já tornará útil seu depoimento, mas a professora não tem como “dialogar” com todos que lhe escrevem. O email é susanne.schotz@med.lu.se

Assista o vídeo que trata do tema dessa matéria de forma bem-humorada:

COMENTE AQUI e CONCORRA A BRINDE:

Mas você pode também comentar o tema da matéria aqui. 

Terei enorme prazer de ler tudo e haverá sorteio de um brinde entre todos que deixarem seus comentários abaixo: um calendário de Julho/2019 a Junho/2020 com lindas fotos de minhas gatinhas (foto). Não é concurso. É sorteio. Quem comenta participa automaticamente. E aguardo vocês na próxima quinta-feira. Obrigada!

(NOTA: Os comentários estão sujeitos a aprovação pelos administradores do site pelo que poderão não ficar disponíveis de imediato)

Por Fátima ChuEcco

Fátima Chuecco é uma jornalista brasileira especializada em matérias sobre animais e apaixonada por gatos. Mora em SP com suas gatas Dianna e Rebecca Selvagem.

¹MEOWSIC PROJECT BLOG: http://vr.humlab.lu.se/projects/meowsic/blog/

Author: Fátima ChuEcco

Fátima Chuecco é uma jornalista brasileira especializada em matérias sobre animais e apaixonada por gatos. Mora em SP com suas gatas Dianna e Rebecca Selvagem.

98 Comentários

  1. A minha gatinha Bruxinha parece que quer conversar comigo,fico imitando os mios dela, e ela fica mais carinhosa, mais querida…

  2. Amei a matéria! Tenho quatro gatos. Eles vocalizam muito. E cada um com seu jeitinho. A gente aprende a entender o que desejam. Conversamos muito também. 😻

  3. Tem lógica a pesquisa, pois se as pessoas têm sotaque, os animais também podem ter. Vamos aguardar a conclusão do estudo.

    • Rita… sim, achei bem interessante porque eu já pensava na possibilidade do sotaque felino antes mesmo de ver essa pesquisa. Por isso fiz o filminho acima onde trato do assunto com humor.

    • Roberto… eu tenho uma gatinha do mato, a Rebecca Selvagem que, aliás, aparece no video da matéria. Ela de fato economiza miados, apesar de ter vindo pra minha casa com apenas um mês e meio de idade. Nem a convivência com outras gatas fez ela mudar.

    • Eliane… que bom que vc gostou da matéria. Achei bem interessante o estudo porque eu já pensava na possibilidade do sotaque felino antes mesmo de ver essa pesquisa. Por isso fiz o filminho acima onde trato do assunto com humor.

  4. Que matéria mais interessante…..nunca imaginei na possibilidade de os felinos ,conforme sua convivência com o humano, desenvolver tipos de comunicação…. o miado que mostra como estão se sentindo….o que querem e tudo mais….. fiquei até com vontade de adotar um gatinho….❤️❤️❤️👍🏼

    • Eliane… gostei do seu comentário… é meio por aí mesmo… veja na matéria uma foto de jornal europeu onde eles tb colocam dois tipos de “miau” diferentes”…é miaou ou meow? É muito interessante e divertido imaginar como mia um gatinho japonês por exemplo.

  5. Olá! Muito interessante a matéria, eu nunca tinha pensado nisto! Creio que talvez eles começam a seguir a forma de falar dos donos! Eu tenho uma vira-lata que se chama Emília, ela não mia muito mas as vezes ela faz um miado bem longo, pedindo alguma coisa! Outro ponto interessante é que conforme a raça eles tem um jeito típico de miar também, vejo isto na minha gatinha Mainecoon que mia bem baixinho mas mia para tudo, para brincar, para comer…De qualquer forma gatos são uns amores! Parabéns pelo artigo e não vejo a hora de ler os próximos! Marta.

    • Marta… sim… um dos pontos da pesquisa tenta mostrar que os gatos absorvem o jeito de falar dos tutores, a entonação da voz (melodia), o ritmo… enfim… influencia na vocalização felina. Se vc consultar o link da pesquisa, que está logo no início da matéria, vai ver que a pesquisadora comenta de raças de gatos que seriam mais ou menos falantes, mas mesmo assim, a convivência com humanos pode modificar o padrão e a frequência de vocalização. Obrigada pelo feedback!

  6. Matéria super interessante e esclarecedora… Agora entendi porque minha gata mia gritando. kkkkk

  7. Gostei muito da matéria dessa entrevista, toda forma de comunicação trabalha a possibilidade de melhora nas relações e harmonia para a unificação de todos os seres. Admiro muito sua dedicação aos animais .

    • Fátima Raggi… Acredito que um relato mais detalhado sobre sua gatinha possa interessar à pesquisadora. Vc viu que coloquei o email dela na matéria? Quanto ao gato que te visita veja que ele disfarça o perfil bravo dele com um miadinho mais meigo pra te convencer a dar alimento. De alguma forma ele aprendeu que o miado baixo e suave pode trazer benefícios.

    • Cida… puxa… oito miados muito personalizados? E vc entende tudo? São como nós… cada um tem seu próprio jeito de se expressar e esse jeito, conforme a matéria diz, é tb influenciado pelas pessoas que convivem com eles. Tem algum deles mais parecido com vc?

  8. Até já cheguei a pensar nisso, mas de brincadeira. Esse estudo nos mostra como os animais são sensíveis e absorvem nossas maneirices, nosso modo de ser e sua vontade de entrosamento com os seres humanos. Ainda temos muito o que aprender com eles. Parabéns pela matéria, muito interessante.

    • Debora… que bom esse seu feedback. Tb achei bem interessante porque eu já pensava na possibilidade do sotaque felino antes mesmo de ver essa pesquisa. Por isso fiz o filminho acima onde trato do assunto com humor. E vc tem toda razão… isso é só a ponta do iceberg. Tem muito mais pra descobrirmos sobre eles.

    • Debora… esse filminho fiz com o maior carinho com fotos de minhas gatas…fiquei imaginando se elas entenderiam miados com sotaque muito diferentes. Como a pesquisadora explicou, não se trata de idiomas felinos, mas mesmo sendo apenas sotaques diversos, às vezes isso dificulta a comunicação. Já viajei pra cidades pequenas onde embora se falasse português, só o sotaque ou jeito de falar muito rápido atrapalhava minha compreensão. Talvez ocorra o mesmo com os gatos e todos os animais que vivem em pontos distantes.

  9. Muito interessante esta matéria que só nos confirma a grande sensibilidade e inteligência que os animais possuem. Além disso amei o filminho da “cineasta amadora,” como dizia a e saudosa Agatha Borralheira.

    • Debora… verdade… é tanta sensibilidade e inteligência que fica difícil entender como tem pessoas que ainda não enxergam isso. O filminho é um remake de outro filme que fiz tempos atrás. Atualizei as imagens mas preservei a Ághata que foi um exemplo extremo de sensibilidade felina. Obrigada pelo feedback!

  10. Falar sobre gatinhos e como se comunicam é mesmo uma forma da gente entender mais do amor que sentimos e prestar muito mais atenção. Toda forma de se comunicar vale a pena o amor entre pessoas e bichinhos só faz aumentar . Adorável matéria parabéns bj

    • Vera… obrigada pelo feedback… sim, todo forma de comunicação vale a pena e tem até uma música brasileira que diz: toda forma de amor vale a pena… toda forma de amor valerá.

  11. Cada gato tem seu jeitinho, sua personalidade e sua voz, então teremos miados em diferentes línguas. Tive a Genoveva, nascida em Toulouse, França, que miava assim: miauuuu
    Agora Fudencio, que é nascido em São Paulo Brasil, já mia assim: miiiiiiiiiiau.

    • Cristina… amei seu comentário… muito interessante mesmo… e divertido. Aliás, vc devia contar sua experiência para a pesquisadora. Vc viu que coloquei o email dela na matéria? É curioso e pode ser útil para a pesquisa esses miados com sotaque francês e brasileiro que vcs nos contou.

  12. Que legal.
    Tenho um casal de gatinhos.
    O menino Eugênio tem um miado sempre de desespero e a menina Efigênia tem um miado carinhoso

  13. Nossa muito legal essa matéria. Eu sempre percebi que até entre meus quatro gatos de estimação tem diferença entre os miados, como cada pessoa tem um tom de voz diferente. Mas parabéns pela matéria.

    • Rodrigo… sim… a pesquisa mostra que muda entonação do miado (melodia), ritmo, jeito de miar… se existe diferença entre os gatos de uma mesma casa que dirá entre gatos que vivem tão distantes, em diferentes realidades. Obrigada pelo feedback!

  14. Adorei saber dos sotaques! Descobri, recentemente, que as minhas falam entre si, em sons quase inaudíveis! E elas falam comigo, se comunicam por gestos e olhares!

    • Jaqueline… Vc viu o filminho que está na matéria coma Dianna e a Rebecca? É um remake que fiz um tempo atrás. Eu já desconfiava dessa coisa de miado com sotaque antes de ver a pesquisa. Estudo interessante, né? Obrigada por nos acompanhar. Quinta que vem tem mais!

  15. Adorei a matéria ! Creio que estudo vai gerar um grande avanço na comunicação entre os felinos e os humanos. A contribuição na relação veterinário/paciente e nos abrigos, sobretudo, trará muitos benefícios na qualidade de vida dos peludinhos.

    • Soraia… Esperamos que a pesquisa ajude os gatinhos sim no sentido dos tutores, protetores e veterinários entenderem melhor os bichanos. E com esse acréscimo da questão do “sotaque” as pessoas vão começar a entender que miado não tudo é igual…. rsrsrs. Obrigada pelo feedback!

  16. Adorei a matéria, super interessante. A minha Grey e americana e aqui os gatos falam “meow”, mas eu entendo qd ela conversa comigo pra pedir comida ou treats. Ela tb se comunica por gestos, me cutuca as pernas qd quer alguma coisa. Principalmente pra ligar o brinquedo predileto q e a pilha ou para abrir as portas dos armários para ela entrar e investigar o q tem dentro.

  17. Parabéns Fátima, muito boa matéria. Aqui em casa os meus 7 gatos emitem sons distintos, reconheço cada um deles. Uns vocalizam mais que outros, e em situações diferentes eles mudam a forma de miar. Acho que todos que possuem mais gatos, sabem o que estou falando. Tenho uma gata, que é bem falante, fala quando está com fome, quando está com medo de trovão, fala quando estou abrindo a porta de casa, etc etc é uma miona nata rsrs.

  18. Ameiiii! … inclusive o vídeo bem ilustrativo que segue ao texto! … Parabéns cinegrafista amadora!

  19. Acompanho seu trabalho há anos, vc sempre mto profissional e dedicada com o assunto, referindo-se a animais, principalmente os felinos. Quero parabenizá-la por mais essa conquista, q é apenas uma amostea de td q irá conquistar ainda. Brilhante matéria!

    • Cristina… muito obrigada… é tão bom receber esse feedback de pessoas que acompanham meu trabalho. Eu faço com muito amor e os leitores me ajudam muito dando ideias, contando suas experiências, comentando suas paixões felinas. Quinta que vem tem mais!

    • Vera… que bom que vc gostou do “filminho”. Fiz me colocando no lugar dos gatinhos. Será que é mais difícil entender um miado de gato que vive distante? Eu amei fazer esse video. Obrigada pelo feedback.

  20. Olá! Temos 3 gatos, e cada um mia de um jeitinho único. Um deles é uma gatinha surda, mas muito falante! Ela anda atrás da gente miando, como se estivesse exigindo total atenção! Junto com os miados tem as expressões faciais, o que torna tudo mais encantador! Há quem jure que ela “fala” mamãe! É muito fofo e interessante!!!

    • Gisele… amei seu relato… então sua gatinha surda é muito falante ou “miante”? Vejo que seu caso pode interessar à pesquisadora já que se trata de uma gata que não ouve mas se esforça para se comunicar. Será que o miado dela é único em função disso? Afinal… ela desenvolveu a vocalização sem ouvir outros miados. Escreva para a pesquisadora. Coloquei o email dela na matéria.

  21. Oiiiii… Obrigada por esse artigo!
    Sou protetora e faz anos, crio na mamadeira recém nascidos jogados em lixeiras, resgatados, que de alguma forma chegam até mim.
    Só os doou quando estão independentes quanto a comida e uso de caixa sanitária.
    Então,neste tempo aprendi a ouvir seus chamados, identificar seus sons de pedido de ajuda( quando saem do ninho quentinho), de fome ou somente de atenção e carinho.
    Tenho uma adulta resgatada de maus tratos, que não sabia receber carinho. Eu a ensinei. Hoje, depois de dois anos de convivência,ela conversa comigo,

    Não sou doida…. rsrsrsrsrsrs.. nós nos entendemos!
    Ela conversa comigo!
    Experiência com Gatos não falta.
    Beijos!

    • Rosane… que relato mais bonito. Vc salvou a vida de muitos gatinhos e aprendeu a entendê-los. E claro que vc e sua gata conversam… acredito que até mesmo pelo olhar… Parabéns!

  22. Ótima matéria Fátima! Bah agora que percebi que os gatos que já tive ou conheci, miam bem alto aqui na serra gaúcha, acho que por ser região de imigração italiana, naturalmente as pessoas têm a voz mais grave aqui!

    • Cristine… bem interessante isso… de fato os miados dos gatos da sua região podem ter relação com a imigração italiana… é a questão da entonação da voz que a pesquisadora explica… eles podem absorvem o nosso jeito de se expressar. Vc devia relatar isso a pesquisadora. Coloquei o email dela na matéria.

  23. Adorei essa matéria! Nunca imaginei que os miados podiam mudar de entonação como um “sotaque” de gato! Eu tenho cinco e cada um mia de um jeito diferente. Da pra saber qual deles está miando de longe! Parabéns pela matéria!

    • Camila… obrigada pelo feedback… é mesmo uma descoberta bem interessante e que todo mundo que tem gatos pode comprovar. Os nossos ouvidos se acostumam com o miado particular de cada um e eles tb se acostumam com nossa voz, passam a nos entender.

  24. Apreciei muito esse tema, parabéns pela matéria.
    Uma das minhas gatinhas, a Cristal, gosta de fazer um “ritual” todas as noites antes de irmos dormir, ela mia insistentemente até que eu a pegue e a acomode sobre meu ombro. Esses miados são sempre roucos e firmes. Quando ela está apoiada no meu ombro eu a abraço forte e enquanto eu a abraço ela emite um miado, que a cada dia é diferente, ora alto, ora agudo, ora baixinho. O que eu reparo é que a intensidade do miado parece transmitir o estado de humor em que ela está. Acredito que ela espere esse momento para me “contar” como está se sentindo.
    Amo muito!

    • Cristina… superinteressante seu relato… vc devia enviar para a pesquisadora. Tem o email dela na matéria. E realmente parece exatamente o que vc deduziu, ou seja, que ela diz algo sobre como foi o dia dela ou como ela está se sentindo… q graça! Obrigada por compartilhar essa história tão meiga!

  25. Matéria super interessante, tenho cinco gatos cada um deles mia de uma maneira diferente, tem um que resgatei ha pouco tempo o Tobias, todos os dias pela manhã quando passo por ele, ele mia de uma maneira, como se me contasse tudo o que os outros aprontaram durante a noite.

  26. Só aqui em casa, tem uma variação enorme, cada um mia de um jeito diferente e “conversa” comigo diferente, cada um com seu miado e dengo. Uns mais fininhos, outros mais grossos, outros rocos. Todos lindos no seu jeitão que eu amo.

  27. Bom dia! Achei muito interessante a matéria e realmente os gatos possuem esse tipos de miados, venho observando os meus Durante sua vida e vi que seus comportamentos são diferentes ao pedir algo, ao brincarem, ou estarem estressados. Percebi também os olhares. Poderiam fazer algo sobre os olhares que eles fazem quando querem algo, minha gata, mingau, olha de um jeito e se eu fixar o olhar nela, ai sim ela solta um miado leve, só abrindo a boca, pedindo comida ou água, que na verdade e pra abrir a torneira. Rsrs obrigado!

    • Carlos… eu que agradeço seu relato que é muito interessante. A Mingau tem um jeitinho todo próprio de falar, ops, miar com vc. E a variação de tom de voz tb varia entre todos porque gato não é tudo igual, como alguns dizem… eles são únicos e quem tem gato sabe disso.

  28. Parabéns, Fátima! A matéria está incrível! Diferentes formas de comunicação, infinitas maneiras de dar e receber carinho entre pessoas e animais são mesmo fascinantes! E o filminho, então… que doçura! ❤️😍👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

  29. Super adorei sua reportagem!
    Eu achei muito interessante, e por ser mãe de 16 filhos felinos, eu observo muito meus filhos peludos, e tem uma em especial a Mel (minha primogênita felina)ela é muito parecida comigo!kkk
    Sim ela tem 10 aninhos e sempre foi muito sossegada,mesmo quando filhote. Hoje ela tem outros irmãos peludos e alguns deles às vezes pertubam a Mel, ela da uma rosnada, cibila como aviso. Aí da outro aviso no segunda vez tbm. Mas a terceira ela dá um miado muito MUITO alto (costumo dizer que ela grita)E logo seus irmãos logo correm e volta tudo a sua santa paz!!Eu sou de falar uma, duas na terceira eu explodo tbm!!!kkkk
    Tal MÃE de GATOS, tal FILHA FELINA!!
    CONCORDO SUPER COM OQUE FOI DITO NO SEU ARTIGO!!!🐈🐾🐾❤

    • Tatiana… obrigada. Vc lembrou bem. Realmente o ronronar é bem peculiar de cada gatinho. Tenho uma gatinha do mato que, por exemplo, não ronrona… ela produz um outro ruído que não sei traduzir em palavras mas que deve ser equivalente ao ronronar mais comum.

  30. Tenho 28 gatinhos em casa e cada um deles tem sua forma de expressão. Alguns chegam a ser miados roucos, outros dóceis e carinhosos, alguns altos e estridentes e tem os que miam por mimica. Eu reconheço cada uma deles.

    • Rossane… obrigada pelo feedback. Parabéns por ter uma coração tão grande que abriga 28 gatinhos! E imagino que você realmente reconheça os miados de cada um, até porque, além dos miados, tem a linguagem do amor num lar tão solidário quanto o seu!

Deixe uma resposta

Por favor insira o seu comentário
Por favor insira o seu nome