Na data em que se assinala o Dia do Papa, falamos de Francisco, Bento VXI e João Paulo II e da sua compaixão para com os animais

0
318
O Papa Bento XVI com um dos seus gatos

A razão de se comemorar o Dia do Papa a 29 de junho prende-se com o facto de este ser o Dia de São Pedro, um santo que foi considerado um dos pilares da Igreja Católica e primeiro Papa.

O objetivo deste dia é prestar homenagem ao trabalho do líder mundial da Igreja Católica, o sumo pontífice, cargo que atualmente é ocupado pelo Papa Francisco, com nome de nascimento Jorge Mario Bergoglio, natural de Buenos Aires. Francisco sucedeu a Bento XVI em 2013, que abdicou ao papado.

Mas, provavelmente um lado que poucos conhecem dos Sumo Pontífices Francisco, Bento XVI e João Paulo XVI é a sua compaixão pelos animais que, de acordo com o princípio da infalibilidade papal, reflete também o amor de Deus aos animais não-humanos.

Papa Francisco: ‘Os animais vão para o céu’

Papa Francisco com o cão da família Obama

Numa das suas homilias semanais, o Papa Francisco emitiu uma declaração extraordinária e que chamou a atenção das pessoas que amam todos os seres que habitam este mundo. O Sumo Pontífice disse que a vida após a morte não é um presente apenas para os humanos crentes, mas também para os animais.

Estas palavras tiverem impacto por entre todos aqueles que perderam um animal de estimação muito querido.

O Papa Francisco disse inclusivamente numa entrevista dada a um site de notícias que “o céu está aberto para todas as criaturas. Nesse lugar eles irão receber a alegria e o amor de Deus, sem limites“.

Francisco foi renomeado em homenagem a, justamente, o padroeiro dos animais. Já tem dito, noutras declarações, que é a favor de criaturas não-humanas. Na sua primeira homilia desde sua eleição como Pontífice do Vaticano, enviou a sua mensagem aos fiéis para proteger todas as criaturas nascidas da divindade.

Mas esta a postura de Francisco em relação aos seus animais, não corresponde à do seu antecessor Bento XVI. Este, apesar de amar os gatos e os animais de companhia em geral, referiu que a existência dos animais se limitava à sua vida na terra.

Papa Bento XVI e sua compaixão pelos animais

Resultado de imagem para bento XVI gatos
Um lado que poucos conhecem de Bento XVI, é a sua compaixão pelos animais.

Bento XVI, que exerceu o cargo Papal entre 19 de abril de 2005 e 28 de fevereiro de 2013, adora gatos e tinha dois animais de estimação quando era Papa. Um deles era um gato que encontrou nas ruas de Roma.

“Enquanto andava pelas ruas de Borgo Pio ao Vaticano, ele parava para conversar com os gatos; não sei em que língua falava com eles, mas os gatos ficavam encantados. Quando o Cardeal se aproximava, os gatos levantavam a cabeça e o saudavam”, disse, numa entrevista ao jornal ABC em 2005, o Cardeal Tarcisio Bertone, que um ano depois se tornou Secretário de Estado do Vaticano. O Cardeal acrescentou ainda que Bento era “apaixonado por gatos”.

Em 2005, o PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) pediu à Sua Santidade que incluísse os animais nos assuntos de preocupação da Igreja Católica. Naquela época, o Papa falava sobre a exploração de todos os seres, especialmente de animais criados em fazenda para consumo humano.

Certa vez, ao ser questionado sobre Direitos dos Animais, ele respondeu: “Essa é uma questão muito séria. Os animais são dependentes de nós, entregues aos nossos cuidados e não se pode, simplesmente, fazer o que se quer com eles. Os animais são criaturas de Deus”

Mas Francisco e Bento XVI não foram os únicos a mostrar esta abordagem amigável e respeitosa para com os animais.

Papa João Paulo II: “Os animais possuem alma”

Resultado de imagem para joão paulo II e animais

João Paulo II, que exerceu o cargo entre 16 de outubro de 1978 e 2 de abril de 2005, disse numa ocasião que “os animais tinham um sopro divino”.

A compaixão pelos animais também foi tema proeminente no papado do falecido João Paulo II. Enquanto Papa Karol Wojtyla proclamou que “os animais possuem alma e os homens devem amar e sentir solidariedade para com os seus irmãos menores”. Ele chegou a dizer que todos os animais são “fruto da ação criadora do Espírito Santo e merecem respeito” e que eles estão “tão perto de Deus como os homens”.

Tal como dizia São Francisco de Assis, os animais são nossos “irmãos mais novos”, e devemos-lhes mostrar respeito.

 

 

Author: Miau Magazine

Deixe uma resposta

Por favor insira o seu comentário
Por favor insira o seu nome